ANA ROSSI

Era uma vez

um pedagogo

bem lá da cidade

mas que gostava do sertão

conhecido por querer

alfabetizar

aquele povo de lá

e muitos outros de cá

Era advogado formado em direito

mas queria mesmo

era alfabetizar

com todas as letras

e não apenas mostrar

os desenhos das letras

e como se pronuncia um “a”

e escrever um “ca”

queria mesmo era

ensinar a libertar

As letras lhe ajudaram

então ele pegou as palavras

do pessoal mesmo de lá

do pedreiro

do vaqueiro

da dona de casa

da merendeira

e começou a conscientizar

“merendeira” tem um “a”

e a sua “casa” tem outro “a”

e dona de casa também tem um “a”

casas diferentes

e o sentido começou a jorrar

a minha casa não é a mesma de lá?

Assim as letras foram se juntando

de “a” virou “ca”, e depois

virou “casa”

e o “a” começou a se expressar

na língua de lá

e as pessoas ficaram sabendo

como é aprender com conhecimento

Foi indo que todo mundo aprendeu a ler

no sertão na cidade

todo mundo entendeu

mas os poderosos não gostaram

e o golpe se abateu

duro feito pedra

Paulo Freire teve que parar

as inovações de lá

mas o que é bom nunca se perde

e assim é que Paulo Freire

ainda vivo está.