Editores do site Todo Dia É Dia – TDED

Apresentamos, nesta edição do TODO DIA É DIA (www.tododiaedia.com.br), um projeto importante, concebido e coordenado pela equipe do site OUTRAS PALAVRAS (www.outraspalavras.net),  denominadas RESGATE.

Antônio Martins, editor do site Outras Palavras propõe-nos este desafio nos seguintes termos:

formular, a partir da sociedade civil e em diálogo com pensadores e ativistas, propostas para repensar e transformar o país, após as tragédias da pandemia e do governo de extrema direita”.

O convite é formulado ao Luiz e Maria José Rossi, em correspondência que aqui publicamos com a autorização das partes.

O site Todo Dia E Dia, coerente com sua missão de fortalecer os processos e instituições democráticas e fomentar, participar e apoiar iniciativas de reflexão e formulação acerca de um outro projeto nacional para o Brasil, não apenas aceita o convite e desafio como o amplifica aqui no site, a partir de um documento síntese apresentando a iniciativa e detalhando 12 (doze) temas escolhidos para discussão e aprofundamento, sem prejuízo a agregação de novos temas.

A iniciativa RESGATE do site Outros Palavras e de seu editor Antônio Martins, merece a atenção de brasileiras e brasileiros. A proposta requer a participação de centenas de pessoas, constituindo-se em uma forma de educação política, preparando-nos para novos tempos, com respeito, paz e melhorias política, econômica, social e ambiental.

Trata-se de Resgatar o que tem de mais precioso na brasileira e no brasileiro: a luta pela vida. Vala a pena assumir o Resgate.

Editores do site TDED

Mensagem enviada pelo editor Antônio Martins do site www.outraspalavras.net , em 14.06.2021

Caro Luiz Basílio e Mazé,

Escrevo para colocá-l@s a par – e, se possível, envolvê-l@s – numa nova iniciativa editorial e política que estamos lançando, no “Outras Palavras”. Chama-se Resgate. Implica um esforço para formular, a partir da sociedade civil e em diálogo com pensadores e ativistas, propostas para repensar e transformar o país, após as tragédias da pandemia e do governo de extrema direita. Parte de quatro premissas, que estão desenvolvidas neste texto, mas podem ser expressas sinteticamente assim:

a) O bolsonarismo está em declínio e pode ser derrotado (em 2022 ou antes), mas o país sofreu retrocessos tão dramáticos desde 2016 que não bastará voltar ao “velho normal”. Será preciso sacudir as estruturas da desigualdade e da devastação. Está surgindo espaço político para isso.

b) É possível tirar proveito de um fato pouco debatido, porém central neste início de década. Ruiu uma das colunas que sustentavam as políticas neoliberais – a da impotência das sociedades e dos Estados, diante da obrigação de “disciplina fiscal”. Está claro agora que os governos têm grande margem de liberdade para emitir moeda – tanto para salvar os mercados financeiros como para realizar políticas públicas robustas e redistribuir riqueza.

c) As transformações de que o Brasil precisa não poderão, porém, nascer das instituições. Ganhar a presidência e formar bancadas poderosas nos legislativos será essencial; mas sem mobilização das maiorias não haverá força para as mudanças estruturais;

d) A condição básica para mobilizar a sociedade é um vasto esforço de formação política, voltado a refletir sobre a crise, e que terá de ser feito por meios de comunicação contra-hegemônicos e redes de ativismo. Embora tenha abandonado Bolsonaro, a mídia comercial segue aferrada ao projeto de recolonização, que se desdobra em ataque aos direitos sociais, reprimarização da economia e destruição dos biomas brasileiros.

A ideia do Resgate tem, em “Outras Palavras”, duas dimensões. A primeira será executada por nós, num projeto em parceria com a Fundação Rosa Luxemburgo. Entre julho de 2021 e junho de 2022, o site debaterá doze ideias-força para a reconstrução do Brasil. Não significa formular um projeto nacional – tarefa indispensável, porém muito acima de nossas forças. Trata-se de lançar, desenvolver e tornar conhecidos por muitos os eixos indispensáveis para a mudança – que são, hoje, previsivelmente, ocultados pela mídia. Os doze temas que pensamos desenvolver estão apresentados de forma sumária abaixo. Um primeiro esboço do que imaginamos desenvolver em cada uma das doze ideias-força está apresentado em cada link. Sua opinião sobre a pertinência destas ideias será, para nós, extremamente útil e enriquecedora. Que falta, em nosso elenco inicial de temas? E o que poderia ser melhor enunciado e construído?

O Resgate estará no centro da atividade editorial, nos próximos doze meses. As doze ideias-força serão desenvolvidas continuamente ao longo deste período. A cada mês, uma delas será tratada com atenção especial. Produziremos um texto inicial provocador sobre ela. Publicaremos artigos e vídeos a respeito. Sugeriremos livros, para aprofundamento. Realizaremos três entrevistas de desenvolvimento – uma a cada semana – com pensadores e ativistas que se dedicam ao tema. Ao final, produziremos um texto-síntese. Todo este material ficará disponível para interessados em utilizá-lo em processos de formação política.

Nosso projeto vislumbra também um segundo movimento, de alcance ainda maior – e para o qual também pedimos sua ajuda. Pensamos que a ideia do Resgate deve fazer parte da pauta de debates do país. Estamos convencidos de que nossos doze temas são essenciais. Mas sabemos que eles abrangem apenas uma pequena parte das reflexões e lutas a que a sociedade brasileira precisará se lançar, para reverter os retrocessos dos últimos anos e se reconstruir.

Por isso, os diálogos que promoveremos visam, também, provocar outras iniciativas semelhantes. Repare que em nosso elenco de ideias-força faltam temas essenciais. Entre muitos outros, a reconstrução da democracia (inclusive valorizando as formas participativas e diretas). A recomposição dos direitos do Trabalho, de forma a incluir o novo exército de precarizados. As vastas pautas da superação do patriarcado e do racismo. Uma nova segurança pública (que rompa com a opressão genocida da juventude negra) etc, etc, etc. Imaginamos que estes temas possam ser tratados por uma constelação de iniciativas – lançadas por movimentos sociais, por organizações da sociedade civil, por coletivos de pessoas interessadas em participar de um processo de repolitização. “Outras Palavras” ajudará a dar-lhes visibilidade. O Brasil padece, há anos, um grande déficit de imaginação política. É preciso revertê-lo. Por isso, perguntamos: vocês estariam dispostos a participar de uma espécie de mapeamento das alternativas, que identificasse temas a desenvolver e sujeitos políticos dispostos a fazê-lo?

Em algumas semanas, vamos tornar públicas as ideias do Resgate, que lhes apresentamos antecipadamente agora. No final do mês, estará no ar uma nova seção em Outras Palavras, dedicada ao tema. Estamos convencidos de que há um grande esforço político pela frente – árduo, porém fascinante. Queremos a sua companhia.

Sumariando os 12 temas sugeridos neste esboço inicial, para início de conversa:

  1. Multiplicar o Investimento Público, em ruptura radical com as idéias de “austeridade” e “ajuste fiscal”.
  2. Resgatar o Sistema Único de Saúde – SUS que tornou-se, durante a pandemia, símbolo da importância do serviço público.
  3. Construir a rede brasileira de serviços públicos de excelência – em especial, Saúde, Educação e Mobilidade.
  4. Realizar a Virada Socioambiental (“Green New Deal” brasileiro), recuperar a transformar a infraestrutura, com transição ambiental acelerada.
  5. Introduzir o direito ao Trabalho Digno Garantido e à Renda Básica da Cidadania, como políticas para execução da Virada Socioambiental.
  6. Iniciar a revolução urbanística das periferias, como base para enfrentar a desigualdade central na vida brasileira contemporânea.
  7. Estabelecer uma rede de Bancos Públicos e Comunitários e reconstruir as empresas públicas brasileiras.
  8. Estimular e articular uma rede de pequenas e médias empresas, cooperativas e empreendedores individuais.
  9. Recuperar a Petrobras e a soberania nacional sobre o Pré-Sal para, inclusive, geração de divisas.
  10. Lançar um Programa de Reindustrialização Qualificada, articulado a partir dos serviços públicos.
  11. Iniciar a Transição Agroecológica com a Reforma Agrária e a Proteção dos Biomas brasileiros.
  12. Estimular os serviços sofisticados ligados a Conhecimento, Ciência, Cultura, Comunicação e Artes.

São Paulo, junho de 2021.

Eis o link do convite que Antônio Martins faz a todxs nós: